Algumas verdades

Artigos

- outubro 10, 2013

A polêmica da crise dos alimentos e do papel da produção de biocombustíveis nesse tema vem ganhando cada vez mais importância no cenário internacional. Começou hoje em Berna, Suíça, uma reunião convocada pelo secretário geral da ONU, Ban Ki-moon, com a presença de representantes de 27 de suas agências exatamente para discutirem possíveis medidas para reverter o quadro atual no aumento dos preços dos alimentos. É notório que uma série de fatores fizeram com que a crise alcançasse os padrões atuais e, para dirigentes de diversas agências, a destinação de alimentos para produção de biocombustíveis foi um dos principais. Mas creio que seja interessante esclarecermos alguns mitos que pairam no ar sobre os tão falados biocombustíveis…

Diante das constatações do IPCC – Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, sobre as catastróficas conseqüências do aquecimento global no planeta, o mundo viu-se obrigado a repensar seu modelo de consumo e produção no sentido de minimizar suas emissões de gases efeito estufa e de se adaptar aos efeitos já irreversíveis. No que se refere à minimização das emissões, os biocombustíveis surgiram como uma alternativa extremamente válida, já que substituiriam em parte os combustíveis fósseis usados mundialmente. Do ponto de vista do aquecimento global, o biocombustível pode ser uma alternativa viável em substituição ao fóssil, desde que haja critérios claros de incorporação da dimensão socioambiental em toda sua cadeia produtiva.

A primeira questão que vem sendo abordada ultimamente é a de que os países estão deixando de produzir alimentos para produzir biocombustíveis, o que no caso do Brasil especificamente não é verdade, já que o etanol é fabricado a partir de cana-de-açúcar. No caso do biocombustível fabricado no Brasil o argumento de que este corrobora com o aumento nos preços dos alimentos é totalmente equivocado, fruto de uma certa desinformação generalizada, que credito principalmente à postura excessivamente defensiva das autoridades brasileiras e do próprio setor sucroalcooleiro e que pode vir a gerar perdas reais ao mesmo setor.

Outro ponto bastante explorado e, a meu ver, mais importante no caso brasileiro, é a possível devastação de importantes ecossistemas para a expansão das lavouras para produção de biocombustível, notadamente de milho nos EUA e de cana no Brasil, os dois maiores produtores mundiais de biocombustível. O etanol é uma boa alternativa ao combustível fóssil, desde que as áreas de cultivo não sejam vetor determinante de supressão de ecossistemas nacionais importantes. O biocombustível no Brasil não pode exercer o mesmo papel que o etanol do milho tem exercido nos EUA, ou seja, defendo que haja um compromisso dos produtores de biocombustíveis na direção de não expandir suas áreas de produção sobre a Amazônia e remanescentes importantes do cerrado, o que é perfeitamente viável devido a grande disponibilidade de áreas no Brasil.

Creio que há um enorme problema de desinformação, especialmente sobre o etanol brasileiro, que considero uma excelente alternativa principalmente se sua produção estiver associada a um processo de certificação transparente, com o engajamento de diversos atores sociais, a exemplo de representantes da sociedade civil organizada, governos, setor empresarial e academia. A crise atual tem que ser analisada com seriedade e objetividade para que possa ser contornada com mais eficácia e responsabilidade.