Cenas de um desastre

Artigos

- outubro 10, 2013

Desde a semana passada estamos assistindo cenas terríveis das conseqüências do terremoto que destruiu parte do território chinês. O número de vítimas fatais aumenta vertiginosamente a cada dia e o número irá aumentar ainda mais na medida em que os esforços de resgate forem retirando os milhares de corpos dos escombros ainda inexplorados. Cenas de muita tristeza e desespero, já que o fato de encontrar sobreviventes a essa altura é muito improvável.

O terremoto, que teve seu epicentro na Província de Sichuan, atingiu 7,9 na escala Richter e foi o mais forte desde a década de 70. O número de mortos chega a 34.000 e os desabrigados somam mais de 250.000 pessoas. As equipes de resgate ainda trabalham para achar sobreviventes nos escombros, mas as chances diminuem a cada momento e as diversas famílias são obrigadas a contabilizar seus mortos em meio a um ambiente caótico e de muita aflição.

O governo chinês atenta agora para as graves epidemias que podem surgir do ambiente insalubre alastrado no país, país este que, vale lembrar, sediará os próximos jogos olímpicos, em agosto deste ano.

Mas não é apenas o ambiente insalubre que preocupa as autoridades chinesas. O tremor de terra causou prejuízos graves à estrutura de vários reservatórios artificiais no país. Seu rompimento significaria um novo capítulo para esta enorme tragédia, alagando cidades inteiras que se encontram abaixo do nível de tais reservatórios. Análises e perícias estão sendo feitas a fim de detectar a real situação de tais empreendimentos, fato que tem deixado a população local ainda mais apreensiva.

Diante de tais tragédias é razoável que o mundo se solidarize com o país, fato que tem ocorrido através da grande quantia recebida pela China em doações em dinheiro e materiais, que totalizam até o momento cerca de 1,55 bilhão de dólares, vindos de outros países, organizações internacionais e colaboradores locais. A ajuda se faz de extrema importância nesse momento, já que o governo sozinho não é capaz de suprir todas as demandas da população, como, por exemplo, cobertores, roupas, remédios, comida, entre outras. É preciso lembrar que boa parte dessas vítimas está desabrigada e que a reconstrução das cidades afetadas terá que se dar em um curto espaço de tempo, onerando ainda mais o governo chinês.

No último domingo o governo chinês decretou luto de 3 dias no país. Toda a população fez silêncio durante 3 minutos para homenagear as vítimas do terremoto. Diversos países enviaram ajuda financeira e material à China, incluindo equipes de resgate de Cingapura, Coréia do Sul, Japão e Rússia. A atenção do mundo está voltada para as conseqüências deste grave terremoto. Agora temos que aguardar para totalizar o número de mortos e vítimas, torcendo para que incidentes assim não se repitam com freqüência…