O recado político levado às ruas nas manifestações

Artigos

- setembro 30, 2013

O Brasil saiu da letargia política (com P maiúsculo) com as manifestações recentes contra o aumento da tarifa de ônibus.

Excluindo o vandalismo de alguns e a violência policial, já era hora de a sociedade se manifestar diante de um desânimo generalizado, causado pela impunidade em relação à corrupção, violência urbana e baixa expectativa de mudanças.

Mais do que protestar contra o aumento da tarifa, entendo que o que está em jogo é a péssima qualidade do transporte público brasileiro caro e ineficiente.

Locomover-se exige muitas horas das pessoas para se deslocarem para o trabalho em condições realmente precárias.

A principal razão desse caos é a falta de priorização por parte do poder público nas últimas décadas, sendo que o aumento vertiginoso da frota de automóveis traz ainda o problema dos congestionamentos, que cobram mais tempo de todos os cidadãos sem discriminação entre o ônibus e o automóvel, com exceção do metrô, cuja cobertura, em todas as cidades, é rigorosamente insuficiente.

O Governo Federal, hoje, entende que retirar as pessoas da pobreza significa mais acesso a bens de consumo do que oferecer serviços públicos essenciais de qualidade.

Recentemente, o governo lançou um programa de crédito para compra de móveis e eletrodomésticos subsidiado para famílias do Minha Casa Minha Vida. A estimativa desse programa é algo em torno de R$ 8 bilhões, a serem operados pela Caixa Econômica Federal.

Por sua vez, a redução das contas de luz, de acordo com o jornal Folha de S. Paulo, já custou à União R$ 8 bilhões: será que esses R$ 16 bilhões não poderiam ser utilizados em políticas de mobilidade urbana?

Certamente os ganhos eleitorais dessas “bondades” são maiores do que investimentos de médio e longo prazo, que muitas vezes terão retorno político daqui há alguns anos. E a oposição, o que tem a dizer?

Nada, porque lhe falta coragem para ir contra aos supostos benefícios às novas classes médias, que hoje representam o grande eleitorado brasileiro. Além de que ela também opera na lógica de “investimentos com alto retorno eleitoral”. Mas quem está pagando essa conta é este eleitorado, que não tem bons serviços de segurança, saúde, educação…

Mesmo reconhecendo que há necessidade de se repor a perda inflacionária do período, poucos esforços são feitos para se exigir das empresas concessionárias, melhor eficiência em termos operacionais e transparência em relação aos seus custos.

E o pano de fundo dessas manifestações vai além da questão pontual da tarifa de transporte, revelando um sinal de alerta ao sistema político partidário de representação, uma vez que a sociedade não se vê representada nos partidos políticos e nos parlamentos.

Pudera, hoje criar um partido político virou um bom negócio para os malandros de sempre, que tem acesso fácil ao fundo partidário, que, segundo o jornal O Globo, movimentou R$ 1 bilhão no ano passado. Além de cobrarem “butim” para apoiar os governos, independentemente de qualquer conteúdo programático. Por essa razão, a reforma política não sai.

Os jovens que estão hoje nas ruas merecem atenção porque traduzem o sentimento de que é preciso mudar radicalmente as práticas políticas do Brasil e fazer a democracia se reencontrar com o sonho de uma sociedade mais justa.

Artigo publicado no jornal Brasil Econômico em 20 de junho de 2013.