Trancoso e iniciativas para um turismo sustentável

Artigos

- setembro 16, 2013

Após meses de muita discussão e reflexão sobre os frutos do encontro Estratégias para o Turismo Sustentável no Litoral Sul de Porto Seguro (ocorrido em novembro do ano passado e tema de nossa coluna nesse mesmo mês) chegamos à conclusão que, diante dos importantes atributos naturais e culturais do Distrito de Trancoso e sua vocação para a atividade turística, se fazia necessário assegurar a perenidade dos atributos que tornam Trancoso um destino turístico. Ao mesmo tempo, o desafio proposto teria que ser inovador no sentido de produzir uma ponte entre a continuidade sustentável da atividade turística e salvaguarda do patrimônio cultural e ambiental.

Trancoso foi palco das primeiras construções e vilas jesuítas no Brasil, muito antes habitado por povos indígenas. Ainda hoje a Praça São João Batista, conhecida como o Quadrado, conserva um traçado típico das missões jesuítas (meados de 1500), sendo possível contemplar a beleza paisagística da mesma forma como fizeram os primeiros colonizadores. No Distrito também se encontram importantes fragmentos florestais da Mata Atlântica.,Não menos importante, a tradição festeira, especialmente a celebração para santos da tradição cristã, vem desde a formação das aldeias jesuítas e conservam a puxada de mastro e as procissões, tendo como palco de sua manifestação o próprio Quadrado. Hoje o local abriga uma forte e dinâmica economia turística, sensivelmente calcada sob os atributos culturais, paisagísticos e históricos.

Assim, a sociedade civil organizada local através da Sociedade Amigos de Trancoso – SAT e com o apoio de outras importantes ONGs e de autoridades governamentais, irá propor a abertura de um processo de tombamento do Quadrado de forma a contemplar características como seu traçado e imóveis do seu entorno que remontam a época das primeiras formas de ocupação do país. Também será proposto o registro do patrimônio imaterial da Puxada do Mastro, da Procissão e da Dança do Pau, pois o reconhecimento dessas manifestações e expressões culturais locais garante à sua população a referência do seu lugar e fortalece importantes vínculos identitários das comunidades locais com a região, valorizando a própria comunidade diante dos olhos dos visitantes. Por último, será proposta a criação de um modelo de governança e de um plano de preservação que contemple a participação dos diversos atores envolvidos (sociedade civil, União, Estado e Município) e ordene coerentemente o uso e ocupação do solo do Quadrado e seu entorno.

Em última instância, o que se quer é criar um modelo de sustentabilidade que possa ser replicado em outras partes do Brasil. Nesse sentido, a integração da gestão do turismo, meio ambiente e cultura encontra-se respaldada por instrumentos legais internacionais, a exemplo da Convenção sobre Diversidade Biológica da Organização das Nações Unidas (da qual o Brasil é signatário). Esta Convenção possui como principal objetivo a promoção da conservação e uso sustentável da biodiversidade e estabelece diretrizes que incorporam também aspectos do turismo e da cultura, evidenciando que para que haja sustentabilidade nas atividades turísticas, de modo a beneficiar principalmente as comunidades locais e a economia regional, se faz necessário garantir a preservação da biodiversidade e dos aspectos culturais do local.

Ainda temos um longo caminho de desafios e conquistas até que Trancoso se transforme efetivamente em uma referência internacional de turismo sustentável, mas os primeiros passos já estão sendo dados…

Publicado no Terra Magazine.